domingo, 9 de agosto de 2009

Eu não gosto do Paulo Coelho. Dos livros, não posso falar. Nunca li nenhum. Ousaria até dizer que não sei nem do que se tratam, tamanho é o meu desinteresse. Não gosto é dele.

Esse é o momento em que sempre aparece alguém pra perguntar se eu o conheço para poder falar algo assim. Não me envergonho em dizer que não. Não sei qual é dessa mania que algumas pessoas têm de achar que precisa se conhecer alguém ou alguma coisa para ser capaz de tecer comentários a respeito. Soa até como ingenuidade pensar dessa maneira. Pra não gostar, basta um olhar, uma impressão. Pra não gostar, o "soube por ouvir dizer" já se mostra mais do que suficiente. Gostar, sim, dá muito mais trabalho. Requer, quando nada, uma demonstração, amostra grátis, um trailer, uma prévia. Gostar, às vezes, é uma questão de paciência. É insistir, rever conceitos. Muitas vezes é ter que conviver com o desagradável por dias e dias até que se acostume (e nem sempre isso é possível).

Por mais politicamente incorreto que venha a soar, eu julgo as pessoas antes de conhecê-las. (E ousaria dizer que mente quem alega o contrário). E na maioria dos casos eu acerto. Mas não tenho vergonha de assumir que ja me enganei por muitas vezes. Não vejo problema nenhum nisso. Errar é o humano, dizem, e insistir no erro é que seria burrice.

5 comentários:

Alex disse...

Tipo eu, q nao gostava de vc! kkkk! Paciencia e convivencia forçada é tudo num inicio de amizade!!!

Vitor Tamar disse...

Me abstenho a falar de Paulo Coelho... É um sentimento de amor e ódio.

Fred Pimenta disse...

A gente só gosta do que verdadeiramente conhece.

Gabriela disse...

Eu gosto. Sou chegada numa auto-ajuda. Embroa digam que só é auto-ajuda pra quem escreve. pra quem lê é ajuda mesmo.
Tô fazendo terapia.

Herbert Haeckel disse...

Os livros de Paulo Coelho, definitivamente, não são melhores do que ele... Como é possível a Academia Brasileira de Letras tê-lo como «imortal»? Ainda bem que Machado de Assis não está vivo para ver uma aberração desta... E se estivesse, teria morrido, decerto!