sexta-feira, 20 de novembro de 2009

O difícil em se tornar um "concurseiro", é saber lidar com a decepção. Fazem exatos quatro meses que me dedico, de verdade, ao árduo e injusto caminho das provas e títulos. Para passar não basta o conhecimento. É preciso um monte de outras coisas, incluíndo sorte, abnegação e, por que não, um pouquinho de cara de pau. Mas nada disso é garantia.

Como eu disse, não bastassem as horas de leitura de livros intermináveis sobre todo tipo de direito - seja ele previdenciário, penal, civil, constitucional, consumerista, tributário, trabalhista, administrativo, ou qualquer outro -, é preciso, acima de tudo, aprender a lidar com essa coisa complicada chamada decepção. Depois de tanto dinheiro e tanto tempo gasto, é preciso força, pra no dia seguinte a um resultado negativo, continuar estudando. Quatro meses de estudo contínuo e intenso, e depois de três provas passando perto, mas sem conseguir chegar "lá", hoje eu me perguntei se valia a pena tanto sacrifício. Aí eu lembrei que eu tinha um sonho. E sonho é isso. Esse sonho faz parte do que eu sou. E não dá pra desistir de mim.

3 comentários:

Camila disse...

Bonito texto, Kika.
E dou valor para que não desista desse seu sonho, tá?!
=*

Vitor disse...

Ei....ano passado eu prestei o cabalístico número de 7 provas, ok? Continuidade é o segredo.

Bjos

Daiane disse...

E lembrar que quem persiste não é "concurseiro" (profissional em concursos como o pedreiro, o engenheiro, etc) e sim concursando (estado atual) que com muita luita com certeza vai passar...! Abraços