sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Tem certas lembranças de determinadas pessoas que aparecem inexoravelmente em certas épocas do ano. E não falo só de Natal, e datas comemorativas. Mais que lembranças, às vezes, alguns arrependimentos paressem gostar de me assombrar em momentos do calendário aparentemente comuns, mas que trazem à memória acontecimentos específicos, rotinas e outras coisas que são hoje irrepetíveis.

Talvez seja só saudade, mas acho que não. É algo diferente. É algo que me faz querer imaginar como teria sido, se eu tivesse feito diferente. São as pequenas coisas que me assombram. A culpa pelos pequenos gestos - ou a falta deles - é que me deixa triste, em épocas assim. Essa mania que eu tenho de demorar de gostar de algumas pessoas, às vezes, é uma merda! E de repente você se dá conta que já é tarde demais. O que resta agora, então, é tentar aprender a lidar com essa sensação ruim que aparece de quando em quando. E são em dias assim, como hoje, que não tem nada que faça melhorar a impotência. Por que o passado não se muda. Então, talvez o melhor a fazer seja só lembrar que, apesar das coisas que não se pode mais mudar, na grande maioria das vezes, erramos tentando acertar. E que, entre erros e acertos, tivemos momentos bons.